Guerra de bandidos

Guerra de bandidos

Por Antonio Calabria

Há uma semana trava-se na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, uma verdadeira guerra civil
entre quadrilhas de bandidos comuns, a exemplo do que ocorre em outras instâncias do país
entre quadrilhas de bandidos incomuns, os dirigentes políticos brasileiros. No primeiro caso, a
guerra é pelo domínio do tráfico de drogas, no segundo a guerra é pelo controle do tráfico de
influência. Ainda no caso da guerra entre os bandidos da política, esses malfeitores pelejam
também para se livrar da cadeia para onde alguns já foram levados. Diga-se de passagem que
foram levados por iniciativa de operações como a Lava Jato, ao contrário do STF que, enquanto
o MP trabalha a toda para combater os criminosos do colarinho branco, o STF trabalha a toda
para apenas livrar a cara dos que enterram as instituições brasileiras, além de afagarem os
próprios egos, maiores até do que os crimes que todos praticam. No caso da guerra da
Rocinha, o que se conclui é que os bandidos do tráfico debocham dos governos, das polícias e
das Forças Armadas, num verdadeiro acinte à ordem. A coisa está tão escancaradamente
aberta que chega-se até a suspeitar de uma cumplicidade direta com as forças organizadas,
pois não se pode acreditar que simples traficantes possam enfrentar e vencer os poderes da
repressão e controle da sociedade. Impossível achar que as Forças Armadas, em conjunto com
as polícias civil, militar e federal são simplesmente incapazes de controlar um território como a
Rocinha. O Brasil não é signatário de tratados internacionais de defesa do estado? Por que não
apelar a eles, por que não chamar as forças da Onu, os Marines e outras organizações que
defendem as populações pacíficas? É melhor que se declare logo a total incompetência para
administrar a segurança pública apelando para forças externas do que deixar continuar esse
estado de coisas, sacrificando a vida e o viver de quem mora numa das maiores cidades do
mundo. Vale lembrar também que os criminosos que agem nos morros e favelas do Brasil, no
caso tratado no Rio de Janeiro, em pouco diferem dos que agem nos gabinetes refrigerados da
administração pública. No Estado do Rio de Janeiro, dois ex-governadores recentes estão
presos, um já condenado a mais de 60 anos de cadeia e ainda com mais alguns processos pela
frente. E tudo isso pura e simplesmente por roubo, roubo de dinheiro público, roubo dos
aposentados, dos funcionários públicos, dos carentes e dos doentes sem condições de se
tratar, uma vez que todo o sistema de saúde está sucateado. Roubo que ameaça liquidar – e
ameaça concreta, uma das mais respeitadas universidades brasileiras, a UERJ, fechada por
falta de repasses de verbas e falta de pagamentos de professores e funcionários. Além dos ex-
governadores presos, boa parte dos últimos governantes está também na mira da Justiça, aí
incluído o atual governador com auxiliares e o prefeito anterior que misteriosamente sumiu do
mapa. Mas considerando que o Brasil hoje está sendo governado por um conjunto de
criminosos liderado pelo próprio presidente da República, em sua maioria respondendo a
inquéritos policiais onde o crime mais brando é caixa dois e o mais grave roubo puro e simples,
numa quadrilha especializada que engloba ministérios, parlamento e judiciário, não nos
surpreende se de uma hora para outra viermos a saber que essas quadrilhas todas se
interligam em objetivos e interesse comuns, quais sejam espoliar ao máximo o Estado
Brasileiro sem nenhuma consideração pelos milhões de cidadãos sérios, honestos e que suam
no dia a dia para bancar esses facínoras.

Categories: Colunas

Sobre o EN

Enxada Neles

O jargão “Enxada Neles” foi criado por Ademir Santos, apresentador da TV Alterosa/SBT – Sul e Sudoeste de Minas Gerais, idealizador do Portal Enxada Neles. Ademir começou a usar esse jargão na TV como uma forma de desabafo diante das injustiças sociais que apresenta diariamente. A “enxada” representa o valor do trabalho sério e árduo de uma pessoa na busca de suas conquistas, pelo seu esforço e honestidade.Desta forma, de um modo geral e simbólico, é um símbolo do trabalho. A frase caiu no gosto popular e virou a “marca registrada” de Ademir Santos. No Portal Enxada Neles você ficará sempre bem informado sobre as principais notícias do Sul e Sudoeste de Minas Gerais, além do Brasil e do Mundo. Enxada Neles é o seu novo portal de notícias na internet!

Escreva um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos necessários estão marcados*